Chácara virou sonho de liberdade, cheia de técnicas ecológicas de construção
Estilo News
07 de Agosto de 2017 às 10h22min
Chácara virou sonho de liberdade, cheia de técnicas ecológicas de construção

Eduardo Fregatto - Campo Grande News
Parceria de mãe e filha tornou o projeto possível. (Foto: João Paulo Gonçalves)

A psicóloga Daicy Saldanha, de 55 anos, sempre sonhou em morar em meio à natureza, longe dos barulhos mecânicos e da vista cinzenta típicas dos centros urbanos. Por conta da rotina de trabalho, além da questão financeira, sempre adiou essa meta de vida. Até que, há três anos, chegou o momento. Ela juntou o dinheiro para construir seu recanto tão desejado e conseguiu diminuir o ritmo de compromissos profissionais.

Adepta das terapias integrativas e alternativas em sua carreira, Daicy tem um gosto muito forte e fácil de reconhecer: o rústico e o místico dominam o espaço que criou, com a ajuda da filha arquiteta, em uma chácara no Parque dos Poderes, a 14 quilômetros do centro da cidade.

 

O lugar é lindo e claramente cuidado com muita dedicação. Após nos receber no portão amarelo, passamos pelos guardas, dois cachorros bem agitados, e andamos por um caminho feito de mosaicos no chão. Logo vemos a varanda da casa, cheia de mandalas e filtros dos sonhos.

A filha, Isabela Saldanha, de 30 anos, relata que a mãe fez questão de construir tudo de maneira ecológica e sustentável. As paredes da casa de 120m² foram feitas a partir de taipa de pilão, uma técnica rústica e milenar, feita com o uso de fôrmas próprias para compactar horizontalmente o barro, até que o material atinja uma densidade ideal e resistente.

 

As paredes são bem grossas e tem mesmo aspecto de barro. "Mais de 80% dessa parede é só solo, um pouquinho de cimento e água. A faz essa mistura e vem compactando, toda manualmente. A gente teve que trazer uma equipe de fora, porque aqui mesmo ninguém conhece", explica a arquiteta.

As paredes funcionam como um filtro de barro mesmo e ajudam a deixar as temperaturas do interior mais amenas. "De noite, ela absorve a temperatura, que é mais fria, e a umidade. E de dia, quando é muito quente e muito seco, vai liberando essa umidade", diz Isabela. No inverno, o material também protege e deixa o ambiente mais aquecido.

 

Uma das paredes da varanda apresenta outra técnica ecológica, o cordwood. "É a mesma estrutura da taipa de pilão, mas aí você vai empilhando as madeiras na parede, e a estrutura se torna autoportante, isto é, não precisa de estruturação de pilar, se segura com o próprio peso", explica.

O custo das técnicas ecológicas é equivalente às tradicionais, segundo a arquiteta. O que pode gerar mais despesa é mesmo buscar profissionais de fora, que saibam a maneira correta de executar.

No interior, a decoração continua com a cara de Daicy. Muitos quadros e enfeites exaltando a natureza, a cultura de diferentes povos, cores e o sagrado feminino, algo que a psicóloga cultua até com encontros nos fundos da casa. "Eu trabalho com terapias corporais, com energia", enfatiza.

 

Tem um círculo e um espaço para fogueira no centro. Em uma das pontas, um sofá natural, grama e terra que formam o encosto perfeito. Logo acima, Daicy providenciou grades de janela, com "vista" para o mato. "Atrás de um sofá é sempre bom ter uma janela, para arejar", ela explica.

Depois de fazer um tour completo pela casa, incluindo a banheira com uma vista fascinante para a floresta, dá vontade de ficar ali mesmo e pedir um cantinho para Daicy, de tão aconchegante e bonito que é o lugar.

Ela mora sozinha na chácara. Pergunto se não sente medo, e a resposta é enfática: "Eu não", diz. "Eu moro sozinha e não dá medo nenhum. É uma rua distante, última rua do bairro, então só vem pra cá quem é morador".

 

Isabela conta que o lugar ficou tão aconchegante e bonito, que até os seus amigos acabam frequentando a chácara, sem precisar da sua presença. "Eles fazem amizade com a minha mãe, vêm aqui e eu nem fico sabendo", relata, rindo.

Até o sistema de esgoto é 100% natural. "Chama tanque de evapotranspiração. Ele substituí o sistema de esgoto. Então a água é encaminhada para cá, tem todo um sistema, até chegar na areia e as plantas. As plantas absorvem a água e tratam", esclarece a arquiteta. Para quem vê, nem imagina que ali acontece o tratamento da água, já que são apenas um amontoado de plantas, como bananeiras. "Não dá cheiro nem nada".

A psicóloga até acende a lareira, pra gente ter um gostinho de como ela enfrenta os dias frios na sua cabana na floresta. Mas, infelizmente, temos que ir embora.

 

"Eu me organizei e consigo ir trabalhar na cidade três vezes na semana. Minha rotina, além de receber os amigos, é cuidar da casa, ficar no quintal, plantar, ler... Aqui é um espaço pra eu meditar e relaxar", diz Daicy, que se diz muito feliz e realizada vivendo no espaço que sempre sonhou.

Envie seu Comentário
Atenção! O Estilo News não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!
Nome:* (obrigatório)
Email:* (não será divulgado)
Comentários:* (seu comentário será moderado)
 
 
2015 © - Estilo News - Todos os direitos reservados.
Estilo News.com.br
E-mail:toniazzoproducoes@hotmail.com
Endereço: Rua Eduardo Trindade, nº 638 - Jardim Trindade e Nunes
Cep: 79.130-000 - Rio Brilhante/MS
Telefone da Redação: (67) 3452-3313



 
 
As notícias veiculadas nos blogs, colunas e artigos são de inteira responsabilidade dos seus autores.


Desenvolvido por: Webecom